quinta, 26 de novembro de 2020

Tema emprego esquenta os ânimos em debate por Itaboraí

O clima esquentou na fase de perguntas entre os próprios prefeitáveis. Foto: Reprodução/Facebook FACES Brasil

Quatro dos seis candidatos à Prefeitura de Itaboraí ficaram cara a cara no debate pelas eleições 2020, que começou as 20h desta quarta-feira (14). O clima esquentou logo na fase de perguntas entre os prefeitáveis.

Na briga pela reeleição Dr. Sadinoel (PP) questionou Edinho Oficial de Justiça (PMB), que já foi secretário de Desenvolvimento Econômico, sobre políticas que ele pretende adotar, caso eleito, no setor de geração de empregos. Foi quando os ânimos afloraram.

“Começou o teatro aqui […] Foi isso que me fez acordar mais ainda e voltar para o Legislativo e combater essa corrupção do seu governo […] Estive lá na frente da Secretaria de Desenvolvimento Social e a gente percebeu que a falta de interesse do poder público atualmente é muito”, atacou Edinho – que exerce mandato na Câmara.

Dr. Sadinoel reagiu e apontou “desqualificação” no candidato que o acusou. “Eu perguntei ao candidato como é que faz para gerar emprego. Você fala que é falta de gestão: o salário dos servidores está em dia. Na gestão passada, que estava tudo fechado, você nunca se manifestou”, disse.

“Denunciei sim e continuo denunciando. Você foi delatado pelo proprietário da RioIta, pelo secretário de Saúde do Governo do Estado. A gente não consegue desenvolver nenhuma prática com relação ao emprego, se a gente não combater a corrupção […] Isso foi o Ministério Público Federal e Estadual que falou […] Me processa. As pessoas não têm coragem de falar para o senhor o que eu falo”, esbravejou Edinho.

A ordem de sorteio para as respostas dos candidatos sobre os mais diferentes assuntos foi definida da seguinte forma:

1º – Carlos Pereira (PDT)
2º – Edinho Oficial de Justiça (PMB)
3º – Joana Lage (PODE)
4º – Dr. Sadinoel (PP)

O debate teve quatro blocos

1ª fase

Cada prefeitável teve um minuto e meio para dizer o porquê merecia o voto dos cidadãos;

Cada candidato ficou livre para questionar aos adversários sobre propostas de governo, com limitação de até duas perguntas, de no máximo 45 segundos. Um minuto e meio era o tempo de resposta;

2ª fase

Cada candidato teve um minuto e meio para debater sobre os temas sorteados em uma urna, com a seguinte ordem: Saúde, Educação, Segurança Pública, Saneamento Básico.

3ª fase

Novamente cada candidato ficou livre para questionar aos adversários sobre propostas de governo, com limitação de até duas perguntas, dessa vez de no máximo 30 segundos. Dois minutos era o tempo de resposta;

4ª fase

Considerações finais com tempo de dois minutos para cada candidato, seguindo a ordem do sorteio;

Sem plateia

A faculdade FACES Brasil foi a responsável pela gestão do debate. Seguindo às medidas sanitárias e o distanciamento – devido ao contexto da Covid-19, não houve plateia. Apenas os assessores dos candidatos foram liberados para acompanhar o debate de perto.

De acordo com a mediadora Roberta Scopel, as assessorias dos candidatos Marcelo Delaroli de Maricá (PL) e Sergio Soares (PROS) não deram retorno ao convite, e por isso não participaram do debate, que encerrou pouco depois das 22h.

Publicada às 21h39. Atualizada às 22h50.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *