Ambulante diz ter sofrido preconceito em shopping

O vendedor ambulante envolvido em um tumulto no início desta semana com três seguranças do shopping Bay Market, no Centro de Niterói, prestou queixa nesta sexta-feira (29) na Delegacia do Centro, a 76ª DP. O caso ganhou repercussão após um vídeo com as imagens da confusão viralizar na internet.

No registro de ocorrência o rapaz, de 19 anos, alegou que abordou uma cliente do shopping para oferecer algumas balas que ele estava vendendo quando um segurança o imobilizou com uma gravata (golpe aplicado por profissionais das artes marciais). Outros dois seguranças apareceram o ajudaram o colega de trabalho, mas ainda sem entender o que estava acontecendo.

Em seguida o ambulante reagiu de maneira inesperada indo para cima de um outro segurança, conforme o registro das imagens, que o agrediu com um chute nas costas. O tumulto durou pouco mais de 30 segundos e foi contido por alguns clientes do shopping.

Rapaz que se envolveu em tumulto com seguranças do shopping na Delegacia do Centro. Foto: Anderson Justino / Colaboração

“Uma advogada colocou a mão no meu ombro e disse que eu precisava ficar calmo. Todo mundo viu que eu não fiz nada e que não estava cometendo nenhum tipo de assalto, como eles alegaram. Simplesmente os seguranças decidiram me agredir porque eu estava vendendo minhas balas”, disse o rapaz.

O ambulante, monitorado por tornozeleira eletrônica, contou ainda que já teve passagem pelo sistema carcerário e por isso encontra grandes dificuldades para conseguir emprego.

“Existe um certo preconceito para que algumas portas se abram para ex-presidiários. A única maneira que consegui para sustentar minha casa e conseguir pagar meu aluguel foi vendendo balas. É dessa forma que levo dinheiro para dentro de casa”, desabafou o rapaz que é morador do Centro de Niterói, após deixar a comunidade do Morro de São Carlos, no Rio Comprido, região central carioca.

Segundo a Polícia Civil, o caso foi registrado na 76ª DP como Lesão Corporal. O ambulante foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) para exames de corpo de delito. A polícia deve convocar, nos próximos dias, os seguranças envolvidos no tumulto para que prestem esclarecimentos.

A Comissão de Direitos Humanos, da Criança e Adolescente da Câmara Municipal de Niterói, presidida pelo vereador Renatinho do PSOL (Psol), está apurando o caso juntamente com Ordem dos Advogados do Brasil de Niterói (OAB-Niterói).

Segundo a Comissão de Direitos da Câmara de Vereadores e da OAB Niterói, um ofício foi encaminhado para o shopping solicitando imagens do momento da agressão. 

O administração do shopping Bay Market informou em nota que “está tomando as medidas necessárias e se coloca à disposição das autoridades para colaborar com as investigações”.

(function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','https://www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-1023799-1', 'auto'); ga('send', 'pageview');

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *